ROTEIRO ZIZO PELO CANADÁ – DE COSTA A COSTA, PASSANDO PELAS MONTANHAS ROCHOSAS

Por Zizo Asnis

 

Compartilho aqui o meu roteiro, incluindo os passeios que fiz (sem nenhuma intenção de esgotar as atrações), os hotéis onde me hospedei e restaurantes onde jantei, com as devidas recomendações ou não.

 

Aos poucos, vai sendo alimentado com novas cidades.

 

Veja mais fotos e dicas no meu Instagram e Facebook. Também rolou um programa de rádio na CBN que pode ser conferido aqui.

 

E aguarde, em breve, os apps O Viajante de cidades canadenses!

 

Mapa Viagem Zizo

Mapa da Viagem do Zizo pelo Canadá

 

1. Quebec

 

Quebec foi o ponto de partida pela minha viagem do Canadá – para depois começar a descer a Costa Leste. A cidade é muito agradável, uma das mais bacanas do país, parece Europa. Mais exatamente, a França – e a França de dois ou três séculos atrás. Capital da província de mesmo, Quebec é a melhor síntese da colonização francesa no Canadá.

 

Algumas partes de Quebec lembram vilarejos europeus | Foto: Zizo Asnis

 

Quebec é dividida em Basse Ville (Cidade Baixa) e Haute Ville (Cidade Alta), e nada é melhor por aqui do um despretensioso passeio urbano entre os dois níveis. Existe um funicular fazendo as vezes de elevador, mas o caminho é tão atrativo que você não vai se importar de encarar algumas subidas ou escadarias – como a célebre L’Escalier Casse-Cou, ou Escadaria Quebra Pescoço.

 

DESTAQUES

 

Place Royal, belíssima praça medieval, com igrejinha, prédios antigos, monumento no centro. Pra sentar num dos banquinhos ou mesmo nos restaurantes e ficar só admirando.

 

Château Frontenac, o castelo convertido em castelo no final do século 19 e que domina o horizonte da cidade. Você pode se hospedar lá ou visitar o lugar (tem umas lojinhas por ali), mas o melhor mesmo é ver a monumental construção a uma certa distância, tanto da parte baixa como do platô da parte alta.

 

O imponente Château Frontenac | Foto: Zizo Asnis

 

Museu da Civilização, na parte baixa, um moderno e eclético museu, com exposições de história, artes, culturas do mundo, tecnologia, cães e gatos. Estava para estrear uma mostra sobre o belga Tintim. Logo em frente, a moderna e interessante área portuária.

 

Museu de Belas-Artes, passando o agradável parque des Champs-de-Bataille. Parte do museu foi construído aproveitando uma antiga prisão, e a arquitetura do próprio prédio é um dos atrativos locais. Quando fui, havia uma excepcional mostra sobre Marylin Monroe.

 

O moderno Museu de Belas Artes de Quebec | Foto: Zizo Asnis

 

Cidadela, a antiga fortaleza, erguida em 1750, é composta por uma grande muralha que oferece paisagens bastante pitorescas ao cruzar parques e ruas da cidade. Caminhe ao redor de alguns trechos, e até em cima. São três pórticos: os Porte Saint-Louis e o Porte Saint-Jean passam por cima de movimentadas e interessantes ruas, e o Porte Kaine fica junto a uma elevada área verde. Próximo ao primeiro, encontra-se Hôtel du Parlement, o imponente prédio do parlamento.

 

Île d’Orleans, pequena ilha a 15km de Quebec, facilmente alcançável – basta atravessar uma ponte. Alguns tours fazem isso, e é um bom passeio de um dia ou uma tarde para conhecer uma província de Quebec rural. No passeio, parada em vários estabelecimentos onde se pode provar (e comprar) as geleias e os vinhos locais.

 

Galeria de fotos – Quebec

 

 

Fotos de Zizo Asnis – Todos os direitos reservados.

 

HOTÉIS

 

Auberge Saint-Antoine
Endereço: 8, rue Saint-Antoine

 

Cama espaçosa no Auberge Saint-Antoine | Foto: Zizo Asnis

 

Não se deixe enganar pelo nome: de albergue o lugar não tem nada! Bem localizado na parte baixa da Cidade Antiga, é um hotel super agradável, numa linha hotel butique rústico, com quartos bastante confortáveis. Conta com um recomendado restaurante. Diárias a partir de C$ 405 / US$ 320.

 

 

Hotel Le Saint-Paul
Endereço: 229, rue Saint-Paul

 

Fachada do Hotel Le Saint-Paul | Foto: Zizo Asnis

 

Hotel de porte pequeno-médio, com 27 quartos, alguns reformados e modernizados, mas todos suficientemente confortáveis. O hotel fica bem frente ao Mercado público de Quebec, quase saindo da Cidade Antiga. Diárias a partir de C$ 160 / U$ 126

 

Hotel Clarendon
Endereço: 57 rue Sainte-Anne

 

Quarto grande e luxuoso no Hotel Clarendon | Foto: Zizo Asnis

 

Ótimo custo-benefício: um hotel clássico, histórico (é o mais antigo de Quebec, aberto em 1870), confortável, extremamente bem localizado, no miolo do Centro Histórico, com boas tarifas. Ainda tem um bom restaurante, que improvisa como clube de jazz às sextas e sábados. Diárias a partir de C$ 167 (US$132).

 

 

RESTAURANTES

 

Panache
Endereço: 8, rue Saint-Antoine

 

Elk ao molho de cranberry no restaurante Panache, do Auberge Saint-Antoine | Foto: Zizo Asnis

 

Situado dentro do Auberge Saint-Antoine, o restaurante de imediato oferece um ambiente aconchegante, com paredes de pedra, lareira no centro, bem adequado ao estilo do hotel. Pedi – e recomendo – o elk ao molho de cranberry com pistacho, cervo oriundo das fazendas canadenses, muito saboroso, macio, no ponto certo. Veio acompanhado de kohlrabi, confesso que não conhecia, uma couve-rábano, surpreendeu. De sobremesa, um fantástico brownie de chocolate com pistacho. Pratos a partir de C$ 35 ou menu completo por C$ 125.

 

 

Chez Jules Restaurant
Endereço: 24, rue Sainte-Anne

 

Sole meunière fillet no Chez Jules Restaurant  | Foto: Zizo Asnis

 

Pequeno e simpático restaurante, situado numa das ruas principais de Quebec, bem no centro histórico, não muito para os padrões locais. Fui de entrada coquille St Jacques, vieiras (C$ 15) e prato principal, sole meunière fillet (C$21), um filé de peixe ok, bem acompanhados de rosé Provence ($7 o cálice) e um Chabllis Bourgogne Chardonny (C$9). Sobremesa chocolate mousse (C$7).

 

 

Hotel Clarendon
Endereço: 57 rue Sainte-Anne

 

Roasted duck no restaurante do hotel Claredon | Foto: Zizo Asnis

 

O restaurante do hotel Clarendon é relativamente simples, principalmente na apresentação dos pratos. Mas é saboroso. De entrada, smoked salmon (C$14), file de salmão servida em tiras, prato principal, roasted duck (C$29), pato assado servido com maça e molho de maple, tão típico no Canadá. Estava macio e veio no ponto certo. Confira se o garçom Hernan não está por lá, ele é venezuelano, já morou no Brasil, fala bom português e é muito simpatico. Às sextas e sábados, um anexo do restaurante improvisa um clube um jazz.

 

 

Le Saint-Amour
Endereço: 48, rue Sainte-Ursule

 

Sea Scallops and farm pork no incrível Le Saint-Amour | Foto: Zizo Asnis

 

Um dos melhores restaurantes de Quebec, sério. O restaurante fica numa casa agradável numa rua discreta, nem parece que se há uma cozinha maravilhosa por aqui. Entrada foi um duck foies gras, pato com cogumelos (C$35), excelente, prato principal Sea Scallops and farm pork (C$52) vieiras servidas em cima de peito de porco que por sua vez está sobre um risoto negro, parece uma mistura meio estranha, mas é divino. De sobremesa, The Chocolaty, uma pequena travessa com mousse de chocolate quente, frutinhas vermelhas, uma porçãozinha de sorvete de baunilha e mais uma tira de avelã (C$16). Não é barato, mas vale cada dólar canadense! Acho que foi o melhor restaurante em que fui no Canadá.

 

 

SEGUINDO A VIAGEM:

De Quebec (Gare du Palais) a Montreal (Gare d’autocars de Montréal)
>> ônibus (Orlean Express) – viagem super tranquila, com wi-fi à borde
>> tempo de viagem: 3h15
>> passagem: a partir de C$25 (R$65)

 

Aguarde o app O Viajante de Quebec com muito mais informações!

 

2. Montreal

 

Maior cidade da província de Quebec e do Canadá francês, e segunda maior do país, Montreal é vibrante, moderna, jovial. Embora de porte grande, com 1,3 milhões de habitantes (ou 4 milhões se contar sua região metropolitana), pode facilmente ser percorrida a pé, especialmente a Vieux-Montreal, a Velha Montreal. Bilíngue, ainda é mais francesa do que inglesa.

 

A movimentada Place Jacques-Cartier | Foto: Zizo Asnis

 

A cidade é inquestionavelmente bonita, mas confesso que fiquei um pouco surpreso com a sujeira e, principalmente, com a quantidade de desabrigados que vi perambulando pelas ruas ou dormindo nas praças (ainda mais depois de ter saído da perfeitinha Quebec). Nada, claro que atrapalhe o passeio pela cidade, que possui áreas bem diferentes umas das outras.

 

DESTAQUES

 

Vieux-Montreal, o centro antigo de Montreal contempla interessantes atrações como a Basilique de Notre-Dame, e, em frente, a Place d’Armes; o Hotel de Ville (ou City Hall), o prédio da prefeitura, e, em frente, a movimentada Place Jacques-Cartier, com a coluna do Almirante Nelson; Marché Bonsecours, o mercado de 1847, hoje com lojinhas bastante ecléticas.

 

A bela Basilique de Notre-Dame entre prédios do Vieux-Montreal | Foto: Zizo Asnis

 

Vieux-Port, o antigo porto, situado na descida do centro antigo, hoje é um ambiente bem familiar, com museus, restaurantes, cinema IMAX uma instigante paisagem do horizonte.

 

Centre-Vile, o centro moderno de Montreal, repleto de arranha-céus envidraçados, bares, cafés, restaurantes, hotéis, lojas e butiques. Próximo a tudo isso, fica a Basílica Catedral de Marie-Reine-du-Monde, para muitos, ainda mais bonita do que a Notre-Dame.

 

O descolado bairro Centre-Vile | Foto: Zizo Asnis

 

The Village, bairro descolado, vibrante, com muitas lojas, galerias e cafés, de boa vida noturna, popular entre gays. No verão canadense, ao menos neste ano, está todo decorado com bolas coloridas que compõe as cores da bandeira LGBT.

 

Museu de Belas-Artes, o museu todo é muito bacana, com pintores do porte de Picasso e Monet, mas o que mais curti fui uma exposição (temporária) chamada Revolution, uma mostra cultural dos anos 60 e 70 que mudaram o mundo. Veja se quando você estiver por lá ainda tem essa exposição, é absolutamente imperdível! (caso já tenha acabado, um museu que organiza uma mostra dessas deve trazer outras tão bacanas quanto!).

 

Le Mont Royal, morro no meio de Montreal, que oferece uma bela vista da cidade. Bastante arborizado, o local conta com diferentes parques, um bonito lago e um vasto cemitério.

 

Galeria de fotos – Montreal

 

 

Fotos de Zizo Asnis – Todos os direitos reservados.

 

ALBERGUE

 

Samsun Backpacker Hostel
Endereço: 1586, rue Saint Hubert

Fica logo atrás da estação de ônibus e trem, o que pode facilitar bastante; também é próximo da descolada área The Village. Cada quarto oi dormitório tem o seu banheiro e o café da manhã é ok. Mas o grande problema do lugar é o barulho, as janelas dão para a área externa do que é um bar improvisado, então vozes e risadas se escutam até altas horas da madrugada. A recepção oferece tampões de ouvido, se ajudar… As camas tem luminária própria, mas com um monte de cabos que ficam junto a cabeça… Ou talvez eu que esteja ficando muito velho para albergues… Diárias em dormitórios com 8 pessoas a partir de C$ 21.

 

RESTAURANTES

 

Maison Boulud (The Ritz-Carlton)
Endereço: 1228, rue Sherbrooke Ouest

 

Suculento filé do Maison Boulud | Foto: Zizo Asnis

 

O Ritz-Carlton é um daqueles hotéis 5 estrelas bem elegantes, situado na área moderna de Montreal. O restaurante, com área interna e num terraço, conta com a assinatura do celebrado chef Daniel Boulud. Entradas como Vitello Tonnato (C$27), carpacio de cervo, e pratos principais como o Fille grillé (C$55) um super filé macio e no ponto, justificam a fama e qualidade do lugar.

 

 

Padoca Patisserie Brésilienne

Endereço: 1440, rue Amherst

 

A divertida Padoca | Foto: Zizo Asnis

 

Café brasileiro no The Village, pra matar a saudades do Brasil (com pão de queijo, pastel, coxinha) ou conhecer brasileiros por aqui, clientes ou a simpática proprietária, Gabrielle. Os sanduíches são muito bons, com destaque ao saboroso Steak, de picanha (C$10,45).

 

 

SEGUINDO A VIAGEM:

De Montreal (Gare d’autocars de Montréal) a Ottawa (Central Station)
>> ônibus (Greyhound)
>> tempo de viagem: 2h30
>> passagem: a partir de C$22 (R$56)

 

3. Ottawa

 

Havia lido algo que Ottawa era apenas a Capital do Canadá, e poderia não ser incluída num roteiro pelo país sem problemas. Ainda bem que não fui atrás dessa (des)informação. Ottawa é bem lindinha! A cidade, com quase 1 milhão de habitantes (mas aparenta menos), fica já na Província de Ontario, bem na divisa com a Província de Quebec (só atravessar o rio), o que garante ainda alguma influência francesa.

 

Vale (muito) a pena visitar Ottawa! | Foto: Zizo Asnis

 

O Parlamento e a colina onde se encontra oferecem um visual fantástico – merecem ser admirados de vários ângulos diferentes – e a cidade ainda conta com vários museus interessantes. Acho que vale pegar a Grey Line, o ônibus de dois andares que faz um longo percursos por Ottawa, e descer naqueles locais que mais chamarem a sua atenção.

 

DESTAQUES

 

Parliament Hill, a principal atração de Ottawa, onde ficam os imponentes prédios do Parlamento canadense. Originalmente de 1876, ostenta uma rica arquitetura gótica – veja a partir da praça principal e também a partir do outro lado do rio ou da ponte Alexandra. Próximo, fica a National War Memoriam, memorial de guerra, de onde saem os ônibus de turismo.

 

National Gallery of Canada, museu de arte, de arquitetura arrojada, mas o que mais chama a atenção é a aranha gigante em frente ao prédio. Fica junto ao rio Ottawa e vale a pena atravessar a ponte Alexandra que ali se encontra tanto para admirar a visa do Morro do Parlamento como para chegar no Canadian Museum of Civilization, outro bom museu da cidade, com exposições que revelam mais da história e da cultura do Canadá.

 

O prédio de vidro e a aranha gigante da National Gallery of Canada | Foto: Zizo Asnis

 

Canadian Museum of Nature, caso queira visitar um terceiro museu, vale conferir o de História Natural, cujo acervo contempla o mundo animal (bem interessante a reconstituição com os animais típicos dos territórios gelados, norte do país), o mundo marinho, astronomia além de exposições temporárias.

 

Galeria de fotos – Ottawa

 

 

Fotos de Zizo Asnis – Todos os direitos reservados.

 

ALBERGUE

 

HI Ottawa Jail Hostel
Endereço: 75 Nicholas St, F. 613.235.2595

 

O prédio, que antes foi uma prisão, hoje abriga o HI Ottawa Jail Hostel | Foto: Zizo Asnis

 

Que tal dormir numa prisão? É o que oferece este hostel, instalado num antigo presídio desativado – os quartos são a própria cela, algumas exatamente do tamanho do colchão. Ruim para claustrofóbicos, bom para quem deseja uma experiência diferente. Há quartos em celas maiores, não tão apertadas, e em quartos normais mesmo, a escolher. Diárias a partir C$35 (R$90), ou um pouco mais em celas individuais. Ponto negativo são os banheiros, poderia haver mais no albergue, mas o café da manhã com donuts compensa.

 

 

SEGUINDO A VIAGEM:

De Ottawa (Central Station) para Toronto (Coach Terminal):
>> ônibus (Greyhound)
>>tempo de viagem: 5h45
>>passagem:  a partir de C$39 (R$99)

 

Aguarde o app O Viajante de Quebec com muito mais informações!

 

Em breve atualizarei os destinos abaixo, então fique ligado nas minhas redes sociais (Instagram e Facebook) para não perder nenhuma novidade!

 

4. Toronto

 

>> A maior cidade do Canadá, metrópole que lembra Nova York

De Toronto para Niagara Falls: ônibus (Greyhound)

Ônibus: Toronto (Coach Terminal) > Niagara Falls (Bus Terminal)

Tempo de viagem: 1h35

Passagem: a partir de C$14 (R$36)

 

5. Niágara Falls (Canadá)

 

>> Cataratas de Niágara, atração impressionante, situada junto à rua, na fronteira

De Niagara Falls canadense para a americana: a pé, atravessando uma ponte

A pé: Niagara Falls (Canadá) > Niagara Falls (EUA)

Tempo de travessia: 15min

Passagem: C$0,50 (R$1,25) – uma roleta na fronteira

 

6. Niágara Falls (EUA)

 

>> Cataratas de Niágara no lado americano

De Niagara Falls para a cidade vizinha de Buffalo, onde fica o aeroporto internacional: táxi (ou 2 ônibus públicos, se quiser economizar)

Táxi: Niagara Falls (EUA) > Buffalo (Airport)

Tempo de viagem: 50min

Passagem: U$24 (R$78) – táxi agenciado no Centro de informações turísticas

 

7. Buffalo (EUA)

 

>> Só aeroporto mesmo

Avião: Buffalo (EUA) > Calgary (Canadá)

Tempo de viagem: 6h com conexão

Passagem: a partir de U$170 (R$550)

 

8. Calgary

 

>> Cidade interessante, a maior da região

De Calgary para Banff e Jasper: carro alugado, retirado no aeroporto

Carro: Calgary > Banff (135 km)

Tempo de viagem: 1h45

Passagem de ônibus: a partir de C$17 (R$45)

 

9. Banff

 

>> Cidadezinha pequena e muito bonita, bastante turística, início do trajeto pelas Montanhas Rochosas e pelo Parque Nacional de Banff

De Banff a Jasper: carro, não há como pensar em outro meio

Carro: Banff  > Jasper  (288 km)

Tempo de viagem: você decide, a estrada (Icefields Parkway) é linda, impossível não fazer várias paradas pelo caminho

De ônibus: tempo de viagem: 3h45 – mas realmente vale fazer de carro

 

10. Jasper

 

>> Também pequena e muito agradável, menos turística do que Banff, base para o Parque Nacional de Jasper

De Jasper a Vancouver: trem (The Canadian), uma ótima experiência à bordo

Trem: Jasper a Vancouver

Tempo de viagem: 18h

Passagem: a partir de C$486 (R$1.230)

 

11. Vancouver

>> Bela cidade na costa oeste, com visual de montanhas e muitos atrativos urbanos e ecológicos nas redondezas

Avião: Vancouver > Toronto (voo de volta partir de Toronto)

Tempo de viagem: 4h (direto)

Passagem: a partir de C$258 (R$650)